JUSTIÇA

Servidora do PJSC apresenta trabalho de conclusão em Direito sobre home office e maternidade

A servidora Isabel Cristina Jacinto Brandtner, lotada na Diretoria de Gestão de Pessoas (DGP), defendeu, na última segunda-feira (27/9), trabalho de conclusão de curso de graduação em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina, sendo aprovada com nota máxima e sugestão para publicação.  

O trabalho, intitulado "Pandemia da COVID-19: desafios para conciliar a maternidade e o home office", teve como inspiração a experiência da graduanda no teletrabalho do PJSC desde 2018, e também os anseios, dificuldades e boas práticas vivenciadas pelas mães empregadas vinculadas ao regime privado da CLT, objeto de sua pesquisa. Ao final, aponta estratégias à iniciativa privada para conciliar as demandas e promover o bem-estar pessoal e profissional, tais como: incentivo de grupos virtuais de apoio materno, aumento da participação paterna no cuidado com os filhos e na divisão do trabalho doméstico, gestão do tempo com pausas para descanso, horário de trabalho flexível, garantia do direito à desconexão pelo controle de jornada, metas factíveis e aprimoramento da legislação trabalhista, com atenção à condição materna e paterna.   

A banca foi composta pela professora doutora Juliana Wülfing (orientadora) e pelo professor doutor Marco Antônio César Villatore, ambos da Universidade Federal de Santa Catarina, além da servidora Danielle Cristina Novack, integrante da Equipe do Trabalho Não Presencial da DGP e gerente do programa Mães do Judiciário.

A servidora Isabel, que é mãe do Gabriel, de 8 anos, e da Alice, de 8 meses, destaca: "Fico muito feliz por poder pesquisar sobre a maternidade e os desafios relacionados ao trabalho não presencial, bem como indicar possíveis soluções para a sua sólida expansão. O espaço de escuta oferecido no PJSC para que as servidoras e as magistradas sejam vistas também como mães, na completude do ser humano, tem sido fundamental para a promoção do bem-estar, do senso de pertencimento e do acolhimento institucional, com o consequente aumento do desempenho".

“A pesquisa acadêmica realizada contribui para o avanço e o aprimoramento do teletrabalho e do home office, à medida que identifica as necessidades daquelas que conciliam o trabalho e a maternidade nesses modelos flexíveis, e aponta recursos valiosos ao equilíbrio na execução das atividades. Para além, extrai-se da leitura que o Judiciário catarinense está atento aos parâmetros colhidos pela pesquisadora no que tange à regulamentação do trabalho não presencial, mas também ao capital humano, por meio dos programas de qualidade de vida que favorecem a saúde, a valorização pessoal e o desenvolvimento profissional”, salienta a servidora Danielle Cristina Novack.




VEJA TAMBÉM